Bem-Vindo a Holanda

Por Emily Perl Knisley, 1987
Ter um bebê é como planejar uma fabulosa viagem de férias para a Itália ! Você compra montes de guias e faz planos maravilhosos! O Coliseu. O Davi de Michelângelo. As gôndolas em Veneza. Você pode até aprender algumas frases em italiano. É tudo muito excitante. Após meses de antecipação, finalmente chega o grande dia! Você arruma suas malas e embarca. Algumas horas depois você aterrissa. O comissário de bordo chega e diz:
- BEM VINDO A HOLANDA!
- Holanda!?! - Diz você.
- O que quer dizer com Holanda!?!? Eu escolhi a Itália! Eu devia ter chegado à Itália. Toda a minha vida eu sonhei em conhecer a Itália!
Mas houve uma mudança de plano vôo. Eles aterrissaram na Holanda e é lá que você deve ficar.
A coisa mais importante é que eles não te levaram a um lugar horrível, desagradável, cheio de pestilência, fome e doença. É apenas um lugar diferente.
Logo, você deve sair e comprar novos guias. Deve aprender uma nova linguagem. E você irá encontrar todo um novo grupo de pessoas que nunca encontrou antes.
É apenas um lugar diferente. É mais baixo e menos ensolarado que a Itália. Mas após alguns minutos, você pode respirar fundo e olhar ao redor, começar a notar que a Holanda tem moinhos de vento, tulipas e até Rembrants e Van Goghs.
Mas, todos que você conhece estão ocupados indo e vindo da Itália, estão sempre comentando sobre o tempo maravilhoso que passaram lá. E por toda sua vida você dirá: - Sim, era onde eu deveria estar. Era tudo o que eu havia planejado!
E a dor que isso causa nunca, nunca irá embora. Porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa. Porém, se você passar a sua vida toda remoendo o fato de não ter chegado à Itália, nunca estará livre para apreciar as coisas belas e muito especiais sobre a Holanda!

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Lindo mesmo, né Lisa... eu nunca me canso de ler esse texto. bjo

      Excluir
  2. Bela metáfora. Tenho lido o seu blog e gosto bastante. Devo até confessar-lhe que já fiz uso de algumas informações que aqui dá, mas referi os créditos... Parabéns:)

    ResponderExcluir
  3. Li este texto pela primeria vez na graduação há mais de 13 anos...
    Hoje posso reler com um olhar de mãe... e como é verdade...
    Nenhum de nós chegamos no destino que planejamos nos exatos momentos que pensamos...
    Fascinante viagem da maternidade... dias frios e outros quentes rsrsrs mas dias sempre eternos!!!

    ResponderExcluir
  4. Um clássico sobre o Autismo. Parabéns, adorei, sou vó de autista, procurei este texto por recomendação de uma mãe de autista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom! Tudo pode ser um aprendizado e realmente belo. Amor é tudo.

      Excluir
    2. Muito bom! Tudo pode ser um aprendizado e realmente belo. Amor é tudo.

      Excluir
  5. Lindo, lindo e lindo texto - como TODO este site, aliás. Sou portadora de Asperger em grau moderado. Embora nao cura, a minha CONSCIENCIA sobre a enfermidade me ajuda a enfrentar melhor os dias. E sites como este são assim um grande e querido alento - sobretudo pelo consolo de ver que - contrariamente à minha mãe que nao me amou e fechou os olhos para o meu sofrimento - as mães dos portadores de Asperger dão show de amor e paciencia. Isto é muito especial, me faz bem ler e - saibam todas voces com filhos... diferentes: o seu amor cura! Não é verdade que Asperger nao tem cura! Eu daqui de longe, na ilha incomunicavel em que vivo, me sinto quase curada só de ler os relatos do empenho dessas mães!!! :))

    ResponderExcluir