quinta-feira, 18 de abril de 2013

Teste de genoma oferece diagnóstico bem mais preciso do autismo


Quebra-cabeça, símbolo do autismo, representa a complexidade e o mistério do distúrbio. As cores representam a variedade de pessoas que convivem com a desordem.
Quebra-cabeça, símbolo do autismo, representa a complexidade e o mistério do distúrbio. As cores representam a variedade de pessoas que convivem com a desordem.

Um longo estudo do Children’s Hospital Boston, nos EUA, demonstra que um teste genético que analisa o genoma, conhecido como técnica de microarray (CMA – Chromosomal microarray analysis), é cerca de cem vezes mais eficaz na detecção de alterações genéticas relacionadas a desordens do espectro autista em relação a testes-padrão. O exame pode identificar minúsculos pedaços do cromossomo marcados por deleções ou duplicações na sequência de DNA.
Famílias com casos de autismo recorrentes e pais de crianças diagnosticadas clinicamente com o distúrbio sempre desejam uma confirmação mais específica do problema. No entanto, o conhecimento genético sobre a doença ainda é limitado e os exames recomendados para identificar os problemas não são muito precisos.

 “Com base em nossos estudos, a CMA deve ser considerada como parte da avaliação clínica inicial para o diagnóstico de pacientes com desordens do espectro autista”, afirma Bai-Lin Wu, diretor do laboratório de diagnóstico de DNA infantil do departamento medicina. A equipe liderada por Wu e David Miller, do departamento de genética e medicina laboratorial, avaliou o valor do diagnóstico da CMA em 933 pacientes com diagnóstico clínico de ASD.

Os testes incluíram dois exames usados atualmente, como a análise molecular para a Síndrome do X Frágil e cariótipo com banda G. Ao comparar os resultados, os pesquisadores descobriram anormalidades em 0,46% dos pacientes submetidos ao primeiro teste e 2,23% no segundo teste. No entanto, os resultados do CMA indicaram anormalidades em 7,3% dos indivíduos. Para os cientistas, as análises mostram que até 5% das pessoas com autismo podem passar despercebidas pelos médicos sem a técnica de microarray.

 “O CMA claramente detecta mais anormalidades que outros testes usados durante muitos anos”, explica Miller. “Esperamos que esta evidência possa convencer seguros de saúde a cobrir o exame”.
Ao todo, 15% das pessoas com autismo têm uma causa genética. Estabelecer um diagnóstico genético claro pode ajudar famílias na intervenção precoce do autismo, bem como a prever a possibilidade de ter outra criança com o distúrbio. Mais: ao especificar pedaços dos cromossomos que são excluídos ou repetidos, o CMA pode ajudar pesquisadores a olhar para genes específicos nestes trechos de DNA, possibilitando também classificar pacientes de acordo com o tipo de supressão ou duplicação existente – uma maneira de tentar encontrar formas de tratamento específicas para cada subtipo de autismo.

Fonte: http://cienciadiaria.com.br/2010/03/15/teste-que-analisa-o-genoma-oferece-diagnostico-bem-mais-preciso-do-autismo/

6 comentários:

  1. Quanto demora para a conclusão e laudo quando enviado exames para os Estados Unidos ??
    geovidanaterra@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. Teste de Genoma para o Autismo no Instituo Ricardo Jorge em Portugal.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. carla.hollanda.sp@gmail.com
    O teste de genoma funciona para qualquer grau de autismo, seja a pessoa um Asperger um um autista não verbal?

    Por favor, responda para meu e-mail também.

    Obrigada,
    Carla

    ResponderExcluir