quinta-feira, 26 de abril de 2012

Pesquisadores criam remédio que amenizam característias do autismo

Pesquisadores criam remédio que ameniza características do autismo


fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2012/04/26/interna_ciencia_saude,299652/pesquisadores-criam-remedio-que-ameniza-caracteristicas-do-autismo.shtml
 
Às vezes, a falta de interação social e de habilidade para se comunicar com os outros vai além de um simples mau humor ou do fato de o indivíduo ser apenas pouco sociável. Realizar movimentos repetitivos também pode indicar algo mais do que o transtorno obsessivo compulsivo (TOC). Essas características podem estar ligadas ao autismo, doença que prejudica diversas áreas do desenvolvimento e atinge em média 0,6% da população mundial, sendo quatro vezes mais comum entre meninos. Embora ainda não exista cura para o transtorno do espectro do autismo (TEA), cientistas norte-americanos encontraram um modo de reduzir dois aspectos da doença: o comportamento repetitivo e a falta de sociabilidade. O composto GRN-529, ao ser aplicado no cérebro de cobaias, diminuiu ambas as características, o que pode ser de grande ajuda para indivíduos com o problema.

A equipe de cientistas, que desenvolveu os testes no Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos, usou ratos modificados geneticamente — de modo que ficassem com autismo — para analisar se a intervenção com remédios seria eficaz no tratamento dos sintomas do transtorno. Eles injetaram o GRN-529 no organismo dos animais a fim de inibir o glutamato, substância química no cérebro que controla os comportamentos sociais e de repetição (veja infografia). “O glutamato é o principal neurotransmissor excitatório no cérebro dos mamíferos. Ele é liberado por um neurônio, passa pela sinapse, se liga aos receptores do neurônio seguinte e o ativa”, descreve Jacqueline N. Crawley, uma das autoras do trabalho apresentado hoje na revista científica Science Translational Medicine. “Quem regula a ação da substância é o receptor mGluR5. O composto que utilizamos age exatamente sobre esse receptor, fazendo com que ele diminua a atividade do glutamato e, consequentemente, os sintomas do autismo”, explica.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário